Pensamentos Soltos
Porque a vida é feita de pensamentos... soltos...
05 de Março de 2004

Um excelente amigo meu perguntou-me "Como é que poderei enviar um texto meu para publicares aqui no teu blog (depois de passar pela tua censura é claro!!!)...". Como resposta, decidi publicar o texto dele, apesar de discordar com ele em quase todos os aspectos :o)
Mas acho que é importante discutir-se certos assuntos cada vez mais em voga no nosso País, como o sejam a pedofilia e o aborto.
Pessoalmente, sou a favor do direito ao aborto. Mas não quis deixar de colocar aqui o texto, para que todos possam deixar um comentário, uma opinião...


O leque

Um homem consumido pela febre e pelas dores. Com uma angústia profundíssima porque verifica que a sua situação piora notavelmente em cada dia que passa.
Que faz esse homem para contrariar a febre que se vai apossando do seu ser, que o vai minando, que lhe vai destruindo as entranhas? Abana um leque junto da cabeça, nada mais. Combate o calor que lhe sobe ao rosto e que não passa da mais superficial das consequências do trabalho invisível e muito interior do terrível micróbio. É um quadro patético. Teríamos vontade de rir, se não fosse, ao mesmo tempo, muitíssimo triste. É, talvez, o quadro da nossa sociedade ocidental. Há muito que aprendemos que a forma de resolver um problema consiste em descobrir-lhe a raiz e actuar nela. Eliminando o micróbio, acaba-se com a febre. O homem que abana o leque junto da cabeça parece não saber isto. Ou, então, não quer mesmo resolver o problema, por qualquer razão que não conseguimos entender. Julgamos e condenamos os pedófilos. É, de certo modo, patético: um abanar de leque... Tem a sua utilidade, claro – alguma coisa temos de fazer para defender as nossas crianças –, mas não muito mais utilidade que a de abanar um leque junto de uma cabeça febril. Se não se for à raiz do problema, hão-de vir a ser presas muitas mais pessoas e continuará a haver muitas vítimas pelo tempo fora Aquilo a que se chama pedofilia tem duas componentes fundamentais: a perversão da sexualidade e a utilização de outros seres humanos para satisfação própria. Era aí que devíamos travar a nossa batalha. Estes são dois males profundos da nossa sociedade, com outras manifestações, de resto, além daquela que agora nos assusta. Temos admitido entre nós a pornografia, em diversas formas. Mas a pornografia desvirtua o sexo, e a pedofilia é uma das aberrações onde se pode chegar quando se desvirtua o sexo. Logo, será necessário eliminar a pornografia – e é apenas um exemplo – se realmente quisermos terminar com tudo isto. Não é razoável querermos uma coisa e não querermos as suas inevitáveis consequências. Não é possível, porque vivemos na realidade. Quem anda à chuva molha-se E a utilização dos outros, o dispor deles para os nossos interesses... é uma história antiga. Nisso já descemos ao mais fundo que era possível descer, quando permitimos que as nossas leis autorizassem o aborto.
Tínhamos eliminado a escravatura. Quase não havia pena de morte. Tínhamos construído hospitais e lares. Estávamos a elevar-nos. Mas, em poucas dezenas de anos, mergulhámos de tal modo que batemos com estrondo no fundo mais sombrio. Depois do aborto, nada será de espantar. Se continuarmos assim, um dia aceitaremos a pedofilia – dando-lhe outro nome, evidentemente, como quando chamámos ao maior dos crimes “interrupção voluntária da gravidez Depois do aborto, por termos destruído os únicos alicerces em que se pode fundamentar a sociedade – o respeito incondicional e admirado pela vida humana – não é de admirar que todo o edifício social se desmorone. Quem admite o aborto não tem sustento racional para condenar a pedofilia. Não passa, possivelmente, de um sentimental meio oco. Porque a pedofilia consiste em fazer o que se quer da criança que está fora do ventre da mãe, e o aborto consiste em fazer o que se quer da criança que está dentro do ventre da mãe. A essência do acto não muda só porque ele é realizado de uma forma menos visível. Permanece, como fundo, o uso da criança – da pessoa humana – como se fosse uma coisa.
A mesma mentalidade da escravatura

Carlos Tavares
publicado por Helena às 17:39 link do post

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Março 2004
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
16
20
21
28
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
55 comentários
51 comentários
46 comentários
43 comentários
43 comentários
38 comentários
32 comentários
31 comentários
30 comentários
26 comentários
25 comentários
24 comentários
23 comentários
23 comentários
22 comentários
mais sobre mim
 
últ. comentários
Não, ainda não passou...aliás o blog está dasactua...
Xô, Xô ehehehEspero que essa maré de azar já tenha...
Olá! Adorei ter chegado até aqui e poder te ler. M...
elogios para as fotos, lindo! Eu sempre vi a fotog...
Deve ter sido um espectáculo!Quero ver mais fotos
Um grande beijinho de parabéns pelo dia de hoje :)
Pode ser que sim :)Beijocas e boa sorte
Giro! :)
Yeeeee!!!
Obrigada amigo!
MUITOS PARABÉNS!
Temos que combinar um 10 pras 8 com,o compensação ...
Quero os meus royalties de direitos de autora lolo...
LOL estou
Paisagens lindas, lindas!
Estás-me a imitar? eheheheh
pois então.... parabéns!!!
blogs SAPO